:include data='blog' name='all-head-content'/> Gay não arrependido acusa e amaldiçoa padre por lhe negar a absolvição e a comunhão - FRONT CATÓLICO

Header Ads

Gay não arrependido acusa e amaldiçoa padre por lhe negar a absolvição e a comunhão


Ronald Plishka, devoto católico de 63 anos com graves problemas cardíacos amaldiçoou um padre que trabalha como capelão em um hospital de Washington D.C. (EUA), depois do sacerdote acusá-lo de homossexual e se recusar a lhe dar os últimos sacramentos.

O homem idoso descrito como agente de viagens disse que estava com medo de não sobreviver a um ataque cardíaco e pediu que enviassem um padre, para que pudesse se confessar. Ao conversar com o padre Brian Coelho, Plishka então mencionou que era gay e não obteve a negativa do padre.
Segundo ele, o padre afirmou que não se incomodava com sua orientação sexual. Contudo, já com a água benta nas mãos, disse que não poderia continuar com o ritual, mas prometeu compensar com orações para o homem enfermo.
Possesso com a decisão do padre, que tentou argumentar que não poderia ir contra sua doutrina, Ronald Plishka destaca que resolveu soltar o verbo com o padre, e com base em palavrões, pediu que o sacerdote se retirasse do local imediatamente.
A equipe que administra o Washington Hospital Center relatou que se recusaria a comentar ou tomar alguma posição direta sobre o incidente, mas anunciou que investigará qual a melhor providência a ser tomada, constando que não pretendem ignorar a acusação do paciente.
“Queremos nos manter distantes da discriminação com a comunidade LGBT ou com qualquer outro tipo de paciente. Nossa expectativa é que todos aqueles que oferecem assistência espiritual no hospital aos pacientes possam aderir aos nossos valores e cuidados que se estendem a todos”, disse o representante de mídia Young Pak.
Já Chieko Noguchi, porta-voz da arquidiocese de Washington D.C., que trata de toda a jurisdição dos sacerdotes que trabalham como capelães no hospital, preferiu se manter em silêncio, sem manifestar sua opinião a respeito do ocorrido.

Fonte: The Christian Post

7 comentários:

  1. Tipo assim: Deus tem que se adaptar ao mundo. Ah, façam o favor.

    ResponderExcluir
  2. As leis de Deus são imutáveis,e o Padre só pode mesmo é segui-las,doa a quem doer!

    ResponderExcluir
  3. E os Bispos como sempre preferem não se pronunciar!

    ResponderExcluir
  4. O cara não se arrepende da pratica homossexual e quer perdão de Deus?

    ResponderExcluir
  5. Ótimo artigo!

    Também vivo nesse inferno emocional desde os 4-5 anos de idade ao perceber que preferia abraçar mais o tio do que a tia na creche. Não sou afeminado nem assumido, mas é lógico que desconfiam. Nunca comi ou dei, nem paguei ou recebi 'bola-gato', a única coisa que fiz foi beijar na boca de mulher, nunca beijei na boca de homem. Faltam 4 dias pro meu aniversário de 31 anos e ainda não saí de casa para morar sozinho por medo de tirar minha própria vida e os vizinhos só descobrirem o que aconteceu quando começarem a sentir o cheiro de carne podre saindo por entre as frestas de portas e janelas, meu medo é de não tolerar a solidão e, ao mesmo tempo, ter de encarar a frustração e tristeza por saber que nunca vou poder ter saúde psíquica, filhos biológicos e uma bela mulher de valores morais e temente a Deus ao meu lado com quem eu possa compartilhar a vida, com quem eu tenha companheirismo, cumplicidade, lealdade, alguém pra conversar. Me sinto preso numa matrix-existencial-cármica dos infernos, parece que resido numa espécie de mundo paralelo onde todos são normais e mentalmente saudáveis, exceto eu! Sou viciado em masturbação-pornografia desde 2001 (14 anos na época)... Venho andando desanimado de 2016 pra cá... já frequentei igreja evangélica, porém nunca desci às águas nem me comprometi a algum cargo. Nunca vou ter aquele romantismo dos filmes em que um homem e uma mulher se apaixonam à primeira vista. Sempre tacham de repressora e preconceituosa a sociedade em que vivemos, mas nunca abordam a egodistonia como causa autêntica do sofrimento de indivíduos homossexuais... NENHUM HOMOSSEXUAL ESTÁ CONFORTÁVEL E FELIZ COM ESSA CONDIÇÃO/ORIENTAÇÃO!!! Por que os sentimentos homossexuais não cessam e os desejos heterossexuais não nascem, já que nunca pratiquei o homossexualismo?! Só me lembro de ter achado graça na vida até os 10-11 anos de idade, depois disso, foi só angústia, desesperança e falta de propósito. As pessoas me incentivam a fazer uma faculdade, a namorar e a correr atrás dum futuro melhor, todavia mal sabem elas que não vejo a hora de ter um ataque cardíaco fulminante, ser achado por uma "bala perdida" ou ser atropelado em cheio por uma carreta pra que o Senhor me receba em Seus braços no Céu. Acredito que as bichas, sapatões, pedófilos, psicopatas, necrófilos, zoófilos e outras aberrações estão todos predestinados ao lago de fogo e enxofre onde o bicho não morre e o fogo nunca se apaga. Às vezes, penso que o Pai tem Seus prediletos, outras vezes, entendo que para tudo há um propósito, porém continuo sem compreender o tipo de propósito em que uns viverão no sofrimento até o dia de suas mortes enquanto outros vivem suas vidas plenamente até o último suspiro. Que o nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo tenha misericórdia de nossas almas! 😢💔🐟✝ :'(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc deveria procurar um psicólogo.... vai viver e para de besteira vc quer se vitimizar sem ser vítima de nada.... vai estudar.. trabalhar.. a vida não se resume a sexo....

      Excluir
    2. Amigo as vezes seu chamado é ser reliGibson padre ....não é se casar...é se doar aos irmãos por issó é Castro e não sente atracação por mulheres e acha que é homossexual sendo que é carência de afetividade masculina somente via não é gaY e não viva crise existencial preste atenção ao chamado

      Excluir

Contato:VALMIRCESARVGA@HOTMAIL.COM

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();